Thiago Floriano

PADRE ALVINO BROERING – TUDO SOBRE O CASO QUE TEM CONCENTRADO O INTERESSE DA COMUNIDADE REGIONAL

In Uncategorized on 17/12/2009 at 08:26

Notícias sobre a trágica morte do padre Alvino Broering colocou dois sites de Itajaí no rancking dos cem mais da plataforma WordPress.com durante toda a semana. Informações sobre o Caso Pavan colocou o site do jornalista Carlos Damião (esposo da jornalista Maria do Carmo) também na lista dos “indicados” em nível nacional. Contudo, as informações publicadas sobre a trágica morte do religioso em Itajaí nem sempre correspondem à realidade. Para colocar ordem na casa, vamos tentar reunir aqui no blog as informações corretas sobre o tema. Vamos dividir o texto em duas partes: na primeira vamos publicar o currículo do padre Alvino e informações sobre o latrocínio; na segunda parte, vamos fazer uma análise sobre o Caso Alvino.

CURRÍCULO

Padre Alvino Broering tinha apenas 46 anos e era natural da cidade catarinense de Anitápolis, no Sul do Estado. Estudou no Seminário Santo Antônio (Agudos-SP), no Convento Franciscano de Rodeio (SC) e filosofia no Convento São Boaventura (Curitiba-Pr). Foi ordenado diácono em 11 de dezembro de 1988 e sacerdote em 07 de outubro de 1989 pelo arcebispo da Arquidiocese de Florianópolis – Dom Afonso Niehues. Em seguida iniciou sua trajetória de sucesso como religioso exercendo a função de pároco de Nossa Senhora dos Navegantes (1989-1998), recebendo da comunidade o título de “cidadão navegantino”.

Diante do sucesso obtido na comunidade de Navegantes padre Alvino Broering ganhou uma “promoção” e passou a responder como pároco do Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora da Conceição (1998-2003). Diante de sérias e insanáveis divergências que contraiu junto a fiéis que não concordavam com seu estilo administrativo, padre Alvino Broering acabou sendo alvo de intensas e sistemáticas críticas na comunidade católica e imprensa local, divergência que culminou com sua saída da Paróquia do Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora da Conceição, passando a responder como capelão da Pastoral Universitária na Universidade do Vale do Itajaí (2003-2009). Durante esse período também respondeu como presidente da entidade mantenedora da Rádio Conceição FM – rádio comunitária na freqüência 105.9, com boa audiência na área central de Itajaí.

Padre Alvino Broering escreveu o livro NA FONTE DA ÁGUA VIVA, título que faz referência a programa radiofônico que mantinha na Rádio Conceição diariamente. Homem de mídia, padre Alvino respondia por um quadro semanal na Rádio e TV Univali intitulado de PALAVRA DE FÉ. Também teve participações na TV Itajaí e em diversos órgãos impressos, sendo fundador do Jornal da Matriz e Jornal Paroquial. Também era membro da Academia Itajaiense de Letras.

FALECIMENTO

Padre Alvino Broering provavelmente foi vítima de latrocínio (roubo seguido de morte) às duas horas da madrugada de segunda-feira, dia 14 de dezembro na localidade de Salseiros, às margens da BR-101, próximo à Itadisa e Posto Maioki, quase na divisa com o Município de Navegantes. Recebeu oito facadas, que atingiram a cabeça, as mãos e costas. A polícia trabalha com a hipótese de Alvino ter sido vítima de pessoa de sua relação, com quem saiu de sua casa, localizada na Rua Jorge Mattos (também sede da Rádio Conceição FM) para ser vítima do latrocínio. Também trabalha-se com a hipótese da tragédia ter sido motivada por desentendimento entre conhecidos e não com o objetivo específico de roubo.

Padre Alvino foi vítima do provável latrocínio por volta das duas horas da madrugada, sedo socorrido por volta das duas horas e trinta minutos. Deu entrada no Hospital Maternidade Marieta Konder Bornhausen sendo levado diretamente ao Centro Cirúrgico, não sendo identificado de imediato. Uma religiosa que integra o corpo diretivo do hospital o reconheceu horas depois. Padre Alvino não suportou aos ferimentos e faleceu nas dependências do Marieta Konder por volta das seis horas da manhã de 14 de dezembro de 2009.

As cerimônias fúnebres realizadas na Igreja Matriz do Santíssimo Sacramento não deixaram dúvidas quanto à importância e influência de padre Alvino Broering nas comunidades de Itajaí e Navegantes. A igreja ficou rapidamente lotada durante toda a manhã de segunda-feira quando da realização da missa de corpo presente coordenada pelo arcebispo de Florianópolis – Dom Murilo Krueger – acompanhado de bom número de religiosos.  Depois das homenagens em itajaí o corpo de padre Alvino seguiu para Santo Amaro da Imperatriz onde foi sepultado por volta das quatro horas da tarde no jazigo da família Broering.

INVESTIGAÇÃO

O carro astra, placas MDA – 1814 com placas de Itajaí – até a noite dessa quarta-feira (16 de dezembro) ainda não havia sido recuperado pela polícia. O comando das investigações está ao encargo do experiente delegado Rui Garcia – titular da Central de Operações Policiais. A polícia fez uma vistoria na residência do religioso, contando prontamente com o auxílio dos funcionários e diretores da Rádio Conceição e de sua auxiliar doméstica. Vizinhos ouvidos pelo Blog do Magru testemunham que era freqüente a entrada e saída de pessoas durante a madrugada no local.

A polícia tem diversas pistas para seguir. Na própria Delegacia de Itajaí existem entre dois e quatro Boletins de Ocorrência envolvendo o padre Alvino Broering. Dois deles inclusive, foram xerografados e distribuídos na comunidade católica em 2003, servindo de argumento por seus adversários no intuito de afasta-lo da administração da Paróquia do Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora da Conceição.

Padre Alvino era polêmico, merecendo manchete dos jornais em diversas oportunidades. Em 1994, ainda em Navegantes, foi notícia das páginas policiais por ter sido vítima de suposta violência física e roubo por parte de um menor que estava em sua companhia. Problema que se repetiu em 2000 oportunidade em que o padre teria sido novamente agredido fisicamente e roubado. Portanto, comprovadamente padre Alvino Broering foi vítima de dois outros roubos, seguidos de violência física, antes do episódio trágico dessa segunda-feira.  A Polícia considera todas essas informações na investigação.

A polícia pediu quebra de sigilo telefônico do padre Alvino. Seu celular foi recolhido, sendo que a polícia encontrou na memória diversas fotos de amigos em eventos sociais.

(Próximo texto: análise sobre o tema … )

Anúncios
  1. POOO.. ATÉ QUE ENFIM ALGUÉM ACORDOU .. PARABÉNS ANA LUCIDEZ..

    POR QUE TODAS AS HOMENAGENS POSTUMAS AO PADRE ALVINO, ESCONDE QUEM VERDADEIRAMENTE ELE ERA, AGORA É UM POBRE COITADO E VITIMA. MAS QUANTO TEMPO TAVA POSANDO DE BONZINHO NA PAROQUIA PARA OS FIEIS E DEPOIS FREQUENTAVA UM BAILIZINHO GAY !! NADA CONTRA OS GAY, MAS VOCÊ DECIDE, OU VC É PADRE OU VC É GAY ! PQ SE TENTAR SER OS DOIS, ACABA COMO O PADRE ALVINO !!! VITIMA DO SEU PROPRIO PECADO.

  2. ESSE CRISPIN TA LASCADO, INFELISMENTE, ELE MATOU UM PEDAÇINHO DE ROMA, VAI TER QUE PAGAR POR ISSO !
    NA CADEIA O BIXO PEGA .

    MAS DÁ LICENÇA, HEIN.. QUE VERGONHA ESSE PADRE ALVINO, DEIXAR A BIBLIA DE LADO, PRA FICA NO ORKUT, CAÇANDO GATINHOS.
    ACHOU OQUE PROCURAVA, 9 FACADAS NAS IDEAAA.. KK’

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: